sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Seis dos Mais Belos Jardins do Mundo

 1 - Jardins de Versalhes
   

Os campos de Versalhes contêm um dos maiores jardins formais alguma vez criados, com extensos parterres, fontes e canais,[13]desenhados por André Le Nôtre.[11] Le Nôtre modificou os jardins originais, ampliando-os e dando-lhes um sentido de abertura e escala. Também gostava de usar a luz do Sol no seu maravilhoso trabalho de arte. Criou um plano centrado em volta do eixo central do Grand Canal. Os jardins estão centrados na fachada Sul do palácio, o qual está colocado num terraço para dar uma grande vista dos jardins.[13] Ao fundo das escadas está localizada a Fonte de Letona. Esta fonte consta uma história tomada do poema de Ovídio,Metamorfoses e servia (ainda serve) como uma alegoria às Fronda. Próxima, fica a Avenida Real ou o Tapis Vert. Rodeando este conjunto, para os lados, ficam os jardins formais.[13] Por trás destes fica a Fonte de Apolo. Esta fonte simboliza o regime de Luís XIV, ou, o Rei-Sol. Por trás desta fonte repousa o Grand Canal. À distância, encontram-se os densos bosques dos campos de caça do Rei.
Providenciar água suficiente para abastecer as fontes de Versalhes foi um problema desde o início da construção. A água necessária para alimentar as fontes do palácio era providenciada pela Machine de Marly, actualmente localizada em Bougival. Esta máquina era induzida pela corrente do Sena, a qual movia catorze vastas pás giratórias, sendo um milagre da moderna Engenharia hidráulica, talvez a maior máquina integrada do século XVII. A máquina bombeava água para os reservatórios de Louveciennes (onde a Madame du Barry tinha um pavilhão na década de 1760, o Château de Louveciennes). A água fluia, então, ou para abastecer a cascata doChâteau de Marly ou, passando através de uma elaborada rede subterrânea de reservatórios e aquedutos, em direcção às fontes de Versalhes.[164] Apenas uma podia ser operada com caudal suficiente de cada vez, invariavelmente o local onde o rei estava. Os sistemas de tubulação de abastecimento do parque tinha um comprimento de mais de 160 quilômetros.[165]

2 - boboli jardim
  

Em Florença, para alguns a mais bela cidade do mundo, encostados ao Pitti Palazzio ficam os Jardins de Boboli.
Foram originalmente construídos para os Medici e são um dos primeiros exemplos de Jardim Italiano que mais tarde serviria de inspiração a quase todas as cortes europeias.O magnífico Jardim de Boboli,  foi desenhado em 1549 por Niccolò Pericoli, chamado Tribolo, por desejo de Cosme I. A obra ainda recebeu contribuições de Ammannati, Buontalenti e Parigi o jovem.
Maravilhosas surpresas aguardam o visitante do jardim, como por exemplo a alameda de ciprestes que conduz ao Isoloto, uma ilha artificial onde estátuas de cavaleiros surgem das águas. É onde fica a Fontana dell’Oceano (Fonte do Oceano), obra de Parigi (1681), com estátuas dos rios Nilo, Ganges e Eufrates. Destacam-se também a Gruta de Buontalenti (1583), o Anfiteatro com a vaca romana e o obelisco egípcio; o Viveiro de Neptuno, com a estátua em bronze do Deus do Mar e a estátua da Abundância de autoria de João de Bolonha e Tacca (1563); o Cassino Grão-ducal, a Fontana de Bacco, com a estátua do anão Pietro Barbino montado numa tartaruga.

3 - The Garden of Cosmic Speculation
    
The Garden of Cosmic Speculation é um jardim particular, criado por Charles Jenks no sul da Escócia. Um jardim que é uma homenagem à ciência e à matemática, com esculturas como  buracos negros e fractais, não sendo um jardim recheado de plantas mas que  consegue uma harmonia cósmica entre a natureza e a mão do homem.
O Jardim está geralmente fechado, abrindo um dia para ano, para recolha de fundos para a instituição Maggy’s Centres, em honra de Maggie Keswick Jencks, falecida esposa do autor do jardim.
Aqui ficam algumas imagens deste fabuloso jardim.

4 - Rikugien jardim
  
Rikugien é um dos jardins de paisagem de estilo japonês mais bonito de Tóquio. Construído em 1700 por Yanagisawa Yoshiyasu, Rikugien quer dizer literalmente "seis poemas que ajardinam" e reproduzem em miniatura 88 cenas do poema. Rikugien é um jardim real famoso e espaçoso com uma lagoa e uma ilha no centro e arbolizado nos lados . Está localizado à alguns passo da estação Kamagome da linha JR Yamanote ou da linha de metrô de Namboku. Admissão: 300 Iene. Aberto: Diariamente 9:00 a 16:30, menos de29 de dezembro a 1 de janeiro.

5 - jardim claude monet
  
Esses são os jardins da casa de Claude Monet, em Giverny, França, com seus belos jardins pela profusão de cores, flores e paisagens. Pra quem ama as pinturas do artista que criou o impressionismo, é um prazer saber que os jardins e a casa foram preservados e são ponto de visitação turística até hoje.

O jardim da Casa é dividido em duas partes que se contrastam e se complementam.
Monet criou camadas de flores de diferentes cores e tamanhos; as variadas alturas ajudam a criar volume. Árvores frutíferas também fazem parte da paisagem. Monet misturou as flores mais simples com as variedades mais raras.

A aléia central é coberta por arcos de ferro onde crescem rosas que sobem sobre as estruturas.

A outra parte da propriedade é ocupada pelo jardim japonês, que possui um riacho. O jardim foi construído sobre as águas do rio. Pequenas pontes dão um toque ainda mais romântico ao lugar. Estão lá as famosas Ninféias, que florescem ao longo do verão e que Monet pintou várias vezes.
Além das flores, Monet se interessava em retratar a fluidez e as transparências dos reflexos nas águas.

6 - butchart jardim
 
Robert Pim Butchart (1856-1943) começou a manufacturar cimento Portland em 1888, perto do seu lugar de nascença, Owen Sound (Ontário,Canadá). Ele e a sua mulher Jennie Butchart (1866-1950) vieram para a costa oeste do Canadá por causa dos ricos depósitos de calcário, necessários à produção de cimento.
Em 1904 estabeleceu casa perto da sua pedreira na Tod Inlet, na base da península de Saanich, na Ilha Vancouver. Equiparam-a com uma piscina de água salgada, uma pista de bowling, uma sala de bilhar, campos de ténis e um órgão.
Em 1906, Jeenie criou um jardim japonês com a ajuda do designer Isaburo Kishida. Em 1909, quando a pedreira se esgotou, Jennie convenceu o marido a transformar a pedreira num jardim de Sunken. O jardim foi completado em 1921. Eles apelidaram a sua casa de "Benvenuto" (bem-vindo em italiano) e começaram a receber barcos carregados de visitantes aos seus jardins. Em 1926 substituiram o seu campo de ténis por um jardim italiano, e em 1929 transformaram a pequena horta da casa num grande jardim de rosas.
Em 1939, os Butcharts deram os jardins ao neto Ian Ross (1918-1997) no seu 21º aniversário. Ross operou e promoveu os jardins até à sua morte 58 anos depois.
Em 1953 foi providenciada iluminação nocturna, para marcar o 50º aniversário dos jardins. Em 1964 a Fonte de Ross foi instalada no reservatório inferior para celebrar o 60º aniversário. Em 1994, a Autoridade Heráldica Canadiana deu um brasão-de-armas aos jardins. Em 2004, 2 totems de cerca de 9.1 metros foram instalados para marcar o 100º aniversário, e os jardins foram designados sítio histórico.
Os jardins ainda pertencem aos Butchart; a dona é a bisneta dos Butchart, Robin-Lee Clarke.