quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Armchair Design Vintage - Olaio

         Faz já algum tempo que me ofereceram uma poltrona lindíssima de linhas direitas e muito elegante. Assim que olhei para ela, vi o seu potencial e o que com ela eu poderia concretizar... um cantinho de leitura. 

           Quando a levei para casa, limpei-a com uma pouco de água e um detergente suave, passei-lhe reparador na madeira (que apresentava sinais de secura), uma mantinha quente e um bom livro...


         De vez em quando, gosto de ver o que se vende no OLX. Hoje lembrei-me de fazer uma pesquisa de móveis vintage e para grande surpresa minha apareceram várias poltronas iguais (com preços bastante altos) mas o que mais me chamou a atenção é que o design é português.

         Em 1860, José Olaio, jovem merceneiro, filho de moleiros, comprou na "Casa Havaneza" dois caixotes de madeira e transformou-os em mesas de cabeceira. Alguns anos mais tarde, abre a sua oficina, na Rua da Atalaia, em Lisboa. Tempos corridos e com o crescimento do negócio este espaço passa também a armazém e a loja de moveis novos e usados.
         A preocupação com os materiais de qualidade e com a excelência do acabamento levam a empresa a crescer e a sentir a necessidade de se expandir. É então, que em 1939, já com 500 trabalhadores, é fundada a fábrica, em Sacavém. Crê-se que tenha sido uma das primeiras a produzir mobiliário em série, como forma de satisfazer grandes encomendas.
         No mobiliário domestico, até aos anos 50 do séc. XX, terá seguido os traços do estilo arquitectónico "Português Suave". Já nos anos 60, através do Eng. Herbert Brehm e do Designer José Espinho começa a ter influencias dinamarquesas, através de moveis utilitários e funcionais com linhas simples.
         A marca foi vendida nos finais dos anos 80 e fechou portas no de 1995.

 
 


  

In: http://restosdecoleccao.blogspot.pt/2012/08/moveis-olaio.html
Imagens: imagens do google e custo justo, a primeira é original minha

sábado, 7 de fevereiro de 2015

A vida Louca dos Reis e Rainhas de Portugal - Orlando Leite, Raquel Oliveira e Sónia Trigueirão

 


Agradeço a quem em recomendou este livro com um titulo muito peculiar. Foi um dos mais interessantes que li, já se sabe que a vida dos monarcas e seus consortes não era só aquilo que reza os anais da história. E, este livro vem por a nu o outro lado destas célebres figuras.


“Sabia que houve um Rei que casou com uma Rainha que dizia ser virgem mas afinal tinha um filho? A que rei são atribuídos para cima de trinta filhos bastardos? Sabia que um dos reis que mais filhos teve, incluindo os de suas amantes foi, até à morte da Rainha, sempre fiel? Que Rainha, perita na arte de bem disparar, atingiu o seu Rei, deixando-o acamado durante vários meses? Quanto pesava a lendária espada de D. Afonso Henriques, a quem os inimigos temiam e as senhoras adoravam ouvir histórias?      
Conheça toda a verdade escondida pela História.          

Dívidas, burlas, paixões, grandes conquistas, amores impossíveis, traições, assassínios e escândalos.

Descubra a vida louca dos reis e rainhas de Portugal!   

Reis dados a saias. Com amantes a perder de conta que, apesar dos deleites mundanos, amaram suas esposas. De distintas inclinações sexuais. Tarados, cumpridores ou simplesmente indiferentes ao tema.      
Rainhas fanáticas e tiranas. Sedutoras e ninfomaníacas. Vingativas, manipuladoras, cruéis e sem escrúpulos. Rainhas de gostos variados nas relações e na intimidade.  
Reis que mataram inimigos e depois lhes comeram os corações.            
Reis que recusaram pagarem os impostos ao Papa porque o povo não tinha dinheiro”


Divirta-se com este livro…

Elizabeth Edmondson - Duas histórias de encantar

 
 
 
Uma Vila em Itália -  “Quatro pessoas, uma herança misteriosa e um irresistível convite para um lugar mágico... Quatro pessoas aparentemente sem nada em comum vêem o seu nome mencionado no testamento de uma mulher que não conhecem. Quem foi Beatrice Malaspina e porque exige que compareçam na sua villa em Itália?...”
Ficou curioso? Também eu! Não consegui resistir a tamanha curiosidade e atirei-me de cabeça na leitura. Adorei a forma como a autora, através da sua arte, foi capaz de inspirar sentimentos tão contraditórios com o medo, a simples curiosidade e até o prazer. A história está envolta num enorme mistério que o leitor só se sente satisfeito com a verdade (desenlace do livro).

A Arte de Amar – “Polly Smith está a tentar sobreviver enquanto artista quando Oliver, seu amigo e mecenas, a convida a ir para casa do pai no Sul de França. Entusiasmada por poder fugir do frio e da chuva de Londres e do noivo monótono, Polly pede a sua certidão de nascimento para poder requerer um passaporte. Mas é aí que o seu mundo desaba: aquela que sempre pensou ser sua mãe é, na verdade, sua tia; a identidade do pai é desconhecida e até o seu próprio nome não está correcto. A sua “fuga” para o sol da estimulante da Riviera imprime uma nova vida à sua pintura, mas nem tudo corre bem na mansão onde está hospedada. O pai de Oliver foi forçado a abandonar a Inglaterra no meio de um escândalo e, apesar do sofisticado e cosmopolita grupo de amigos que o rodeia, está prestes a ser apanhado pelo seu passado. E, embora Polly se encontre no centro de uma teia de mentiras, o seu próprio futuro começa a tomar um novo e fascinante rumo…”
Mais um livro fascinante, de leitura fácil só descansei com virei a ultima página. História misteriosa com um final arrebatador. Aconselho para que está farto de ler sempre o mesmo tipo de histórias…

Boas Leituras…

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

O Segredo de Afonso III - Maria Antonieta Costa

 


“Uma teia perigosa de crimes e sombras de um reinado que envolve uma concubina, um escravo, um físico, o único Papa português e o destino de duas mulheres de tempos diferentes. Em Lisboa, na segunda metade do séc.XIII, no Paço Real de Xabregas, o rei Afonso III morre em delírio mencionando um segredo. Entre o funeral régio e a coroação do jovem D.Dinis, seguem-se outras duas mortes misteriosas. Madragana Ben-Bekar, a bela concubina real, odiada pela rainha e por um dos físicos da corte, com fama de alquimista, conjectura sobre as estranhas ocorrências. E, enquanto pondera sobre a verdadeira razão da sua condição e o seu possível destino, convence um monge do Convento de S. Vicente de Fora a redigir a história da sua vida. O pergaminho, perdido durante séculos, é finalmente encontrado por Eunice Bacelar, investigadora, e interpreta uma enigmática mensagem nela contida, descobrindo um escândalo sexual e a verdadeira razão da morte do único Papa português, João XXI, ao mesmo tempo encontra, neste caminho, o grande amor da sua vida.”


Este é mais um livro, que se por se encaixar no meu género literário preferido, foi lido (devorado) em pouco tempo. A forma como a autora teceu toda a história faz com que o leitor sinta uma enorme curiosidade pelo seu desfecho. Boas Leituras…

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Nicholas Sparks - 9 Romances...

        


Nicholas Sparks é Nicholas Sparks. Dispensando grandes apresentações, este é um dos melhores romancistas, na minha opinião, de sempre. Já li todos os livros que aparecem nas imagens mas confesso que ao fim de tanto livro já não tenho muita curiosidade pelos seus livros. Escreve grandes histórias de amor que começam ou terminam quase sempre uma forma um tanto trágica, no meu entender, isto acaba por ser repetitivo e quando agarro num livro já sei que vai haver algum desastre. Alguns dos livros que li fogem um pouco dessa linha, o que acabou por ser benéfico pois são esses os livros de que me lembro mais. Contudo, só tenho a dizer o melhor.


Corações em Silêncio


A alquimia do Amor


O sorriso das Estrelas


Um momento inesquecível


Quem ama acredita


Laços que perduram


As palavras que nunca te direi


O diário da nossa paixão


Uma promessa para toda a vida





 Boas leituras…

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

De volta aos romances históricos - "D. João I, O Pai da Ínclita Geração"



           "Era preciso esquecer a incerteza, as dúvidas que lhe assolavam o coração. Era rei de Portugal, aclamado pelo povo e estava ali para a batalha definitiva, junto do seu fiel amigo e guerreiro do reino, Nuno Álvares Pereira. Iria vencer, como já haviam vencido outras difíceis batalhas, e afirmar-se para sempre na História de Portugal. João havia intuído os sinais que o destino lhe havia deixado… O jornalista João Fernando Ramos traz-nos, no seu romance estreia, a aventurosa e fascinante história de D. João I, o da Boa-Memória. Nasceu filho bastardo, foi mestre de Avis, mas a força das circunstâncias levaram-no a conjurar contra a regente D. Leonor Teles e o seu secretário galego Conde Andeiro, fiéis subservientes dos interesses do reino vizinho. Era preciso assumir um trono para o qual não estava destinado. Lutar pela independência de um povo contra a ameaça castelhana e afirmar a sua dinastia na História de Portugal. Para isso contava com a ajuda silenciosa de Adelaide, uma mulher misteriosa com o suave cheiro das montanhas… Do feliz casamento com a inglesa D. Filipa de Lencastre nasceu uma geração de filhos que marcou para sempre a história do país. Armados cavaleiros pela mãe moribunda, juntos conquistaram Ceuta, sonharam com novos mundos, conquistaram novas alianças. Foram a Ínclita Geração."

     Este livro, vem  na sequência do livro "Roseira Brava" que já aqui falei. É como uma aprendizagem da história com dois pontos de vista sobre a mesma época. 
            Tem uma leitura fluente que cativa a leitura. Recomendo...

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Mateus - Cerâmica portuguesa em Estocolmo







Foi à já alguns dias que, ao ver o programa "Portugueses pelo Mundo", descobri esta cerâmica lindíssima. A marca sueca pertence a uma portuguesa Teresa Lundahl, emigrada por aquelas  paragens à cerca de duas décadas. Apesar de ser uma marca sueca e de ser comercializada por lá as peças são produzidas em terra lusas. Como a própria marca diz, na sua breve apresentação..."Mateus oferece-lhe o melhor de dois mundos. Portugal, onde as cerâmicas têm um profundo e enraizado tempo - lugar de honra na cultura, e na Suécia, onde o interesse por moda e design é generalizado. Uma combinação ideal. Todos os nossos produtos são feitos à mão em Portugal por artesãos qualificados, cada um dando um toque pessoal e singularidade a cada peça. A qualidade duradoura do design oferece uma gama infinita de combinações para criar o cenário perfeito para cada ocasião."   

 Felicito o empreendedorismo desta portuguesa e desejo-lhe muitos sucessos pois as suas peças são lindas.

imagens retidas do facebook: 

https://www.facebook.com/MATEUS.SWEDEN